Exílio

exilioMiguel Arraes foi preso pela Ditadura em 1º de Abril de 1964, sendo encarcerado em uma cela do 14º Regimento de Infantaria do Recife e, posteriormente, sendo levado para  a ilha de Fernando de Noronha, onde permaneceu onze meses. Após deixar a ilha, foi encaminhado para as prisões da Guarda e do Corpo de Bombeiros, em Recife, e da Fortaleza de Santa Cruz, no Rio de Janeiro. Sobral Pinto, advogado do ex-governador de Pernambuco, entrou com um pedido de Habeas Corpus que foi aceito por unanimidade e Arraes foi libertado em 25 de maio.

Era claro que Arraes nunca mais teria uma vida normal no Brasil. Com a transferência dele para o quartel do Rio de Janeiro, já houve a negociação do exílio à Argélia. O país abriu a oportunidade, e através de contatos amigos, o ex-governador mudou-se com sua esposa, Magdalena Arraes, para o país. Os filhos ficaram, a priori, no Brasil e, aos poucos, foram levados para o país africano.

Entretanto, sua vida de exilado não era tranquila. Constantemente, sua casa era vítima de atentados. Militares e até mesmo civis armados invadiam sua residência em busca de documentos e correspondências que provavam sua ligação política com o Brasil, mesmo distante do país. Durante o exílio, Miguel Arraes foi condenado à revelia, no dia 2 de março de 1967, pelo Conselho Pernambucano de Justiça da 7ª Região Militar. A pena foi de 23 anos de prisão pelo crime de “subversão”.

Mesmo em exílio, Miguel Arraes não se desfez da vida política. Foi participante ativo no processo de libertação de países de língua portuguesa, além do enfrentamento de questões relacionadas com a realidade do Brasil, tanto do ponto de vista político, como econômico e social. Na Argélia, Arraes teve contato com importantes personalidades políticas, como Lionel Brizola, Fernando Gabeira.

Com a Anistia e após 14 anos longe do País, Miguel Arraes de Alencar volta ao Brasil em 16 de setembro de 1979. Cerca de 50 mil pessoas o esperavam para seu comício de boas vindas, em Santo Amaro.

3 thoughts on “Exílio

  1. Foi um dos maiores políticos que esse país já teve. Honesto, sem ganancia financeira, fez o que pode pela classe social e trabalhadora

  2. fez muito por minha famillia, devo respeito e gratidao a todos de sua familia ,em especial a meu amigo EDUARDO CAMPOS q me ouviu sem saber q eu era!!! amo EDUARDO e o defendo de todos e de tudo. mesmo sendo policial militar, q as pessoas acha q os policiais nao gostam de governador …eu nao erstou nesses……….

  3. Tenho uma admiração muito grande por Miguel Arraes…. um lutador, guerreiro incansável…admirável

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>