A forma e o conteúdo

arquivo04_f11

É da tradição do PSB, desde que Miguel Arraes assumiu a presidência, em 1990, tomar posição, sem vacilações. E escolher, sempre, o lado do povo. O lado que busca o melhor para o País. E fazer isso sem perder de vista a necessidade de construir alianças que somam esforços e conduzem a avanços. Alianças que, por definição, unem diferentes em torno de um projeto comum, A escolha feita pela direção nacional do PSB – Aécio Neves para presidente – se inscreve perfeitamente nesta lógica. Os patrulheiros e os apressados foram logo pontuando que seria um erro, e que o caminho único, obrigatório, seria o apoio a Dilma e ao PT. Ora, foi também Miguel Arraes que ensinou que, quando o conteúdo não se ajusta à forma, rompe-se com a forma e reafirma-se o conteúdo.
Temos assistido ao desenrolar de fatos de enorme gravidade e ao desencadear de processos que inquietam a todos os que sonham com um Brasil mais justo, equilibrado e em condições de garantir o espaço que é seu, por direito, entre as nações do mundo.
Depois de concretizar importantes avanços com a superação da ditadura, implantação do regime democrático, a estabilização da economia e a expressiva redução das nossas históricas desigualdades, temos experimentado retrocessos que configuram uma séria ameaça a tudo o que conquistamos com tanto esforço.
A perda de confiança dos investidores no Brasil, a ausência de um foco estratégico sobre o País que queremos para o futuro e as dificuldades que o atual governo tem demonstrado para transformar em realidade projetos e ações fundamentais são alguns dos problemas que precisamos resolver urgentemente. Todos os indicadores demonstram que perdemos competitividade. Estagnamos na educação e a economia dá sinais claros de uma grave recessão, ameaça a tantas outras conquistas obtidas com enorme sacrifício. Desemprego e inflação, que pareciam males definitivamente enterrados, voltaram ao nosso cotidiano.
Foi a partir da percepção desta realidade e da crítica madura, refletida a tantos descaminhos (e nem mencionei aqui a corrupção desenfreada…), que foi lançada a candidatura Eduardo-Marina, mobilizadora de tantas energias positivas e de tantas expectativas do povo brasileiro.
Não se faz omelete sem quebrar ovos. Não se segue adiante sem deixar no caminho a carga que limita os movimentos e nos ata a um tempo/espaço ruim. Arraes deu a senha e Eduardo sabia disso como ninguém.
Convocado pelos companheiros da direção nacional a opinar no debate prévio, fui claro: votar no PT seria dizer que está tudo bem. Que o rumo tomado pelo Brasil nós últimos anos é o que deveríamos seguir.
Que a mistura de patrimonialismo corporativista e aparelhamento partidário da máquina pública são um destino do qual não podemos escapar.
Nada mais equivocado. Por respeito à história do PSB e aos valores da esquerda brasileira, que desde a adolescência pautam minhas escolhas políticas, afirmo que apostar no futuro é votar em Aécio.

Por Evaldo Costa

Fonte: Jornal do Commercio

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>