Biografia de Ariano Suassuna

suassuna

1927 – Nasce Ariano Suassuna em 16 de Junho , filho de Rita de Cássia Dantas Villar e João Urbano Pessoa de Vasconcellos Suassuna, no Palácio da Redenção, na atual João Pessoa, Paraíba. Foi o oitavo dos nove filhos do casal.

1928 – A família muda-se para a Fazenda Acauhan, no município de Sousa, Paraíba.

1930 – No dia 9 de outubro, João Suassuna, ex-governador da Paraíba e então deputado federal, é assassinado por motivos políticos, em decorrência da Revolução de 1930, no Rio de Janeiro.

1933 – Temendo que os filhos alimentassem o desejo de vingança e sofrendo perseguição política, Rita de Cássia se muda com os filhos para Taperoá, no sertão da Paraíba, onde Ariano inicia os estudos primários.

1938 – Ariano passa a estudar no Colégio Americano Batista, no Recife, em regime internado.

1943 – Passa a estudar no tradicional Ginásio Pernambucano e torna-se amigo de Carlos Alberto de Buarque Borges, que o incentiva a estudar pintura.

1945 – Ingressa no Colégio Oswaldo Cruz, onde conhece o artista plástico Francisco Brennand (1927). Publica nas páginas literárias do Jornal do Commercio no dia 7 de outubro o seu primeiro poema, Noturno

1946 – Entra  para a Faculdade de Direito do Recife, onde conhece Hermilo Borba Filho (1917-1976), Joel Pontes (1926-1977), Gastão de Holanda (1919-1997) e Aloisio Magalhães (1927-1982). Junto com eles, funda o eatro do Estudante de Pernambuco (TEP). Começa a publicar seus primeiros poemas ligados ao romanceiro nordestino, na Revista do Estudante.

1947 – Escreve a sua primeira peça teatral, Uma mulher vestida de sol, que obtém, no ano seguinte, o primeiro lugar no Prêmio Nicolau Carlos Magno, promovido pelo TEP.

1948 – Cantam as arpas de São (ou O desertor de Princesa), peça nunca publicada em livro, é levada para o palco móvel do Parque 13 de Maio pelo TEP.

1949 – Escreve a peça Os homens de barro, apresentada pelo TEP, com direção de Hermilo Borba Filho.

1950 – Forma-se em Direito pela UFPE. Escreve a peça Auto da João da Cruz, que obtém o Prêmio Martins Pena, conferido pela Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco. Doente do pulmão, ele volta a Taperoá, em busca de um clima melhor.

1951 – Em Taperoá, escreve o texto teatral Torturas de um coração ou Em boca fechada não entra mosquito, peça para mamulengos, marca de sua estréia mo gênero cômico.

1952 – Produz a peça O arco desolado, não editada em livro, que recebe a Menção Honrosa no Concurso de 4º Centenário da Cidade de São Paulo

1955 – Escreve Auto da Compadecida e publica o poema Ode, em edição artesanal do Gráfico Amador

1956 – Auto da Compadecida estréia no Teatro de Santa Isabel, no Recife, no dia 11 de setembro, em montagem do Teatro Adolescente do Recife. Ariano inicia sua carreira docente na Universidade Federal de Pernambuco, ensinando Estética e abandonando a advocacia. Escreve A história do amor de Fernando e Isaura, sua primeira experiência na prosa, que permanecerá inédita até 1994

1957 – Casa-se com Zélia de Andrade Lima. No mesmo ano, o Brasil descobre Ariano Suassuna após a estréia no 1º Festival de Amadores Nacionais, no Rio de Janeiro, de Auto da Compadecida. Escreveu ainda as peças O casamento suspeitoso e O santo e a porca. Auto da Compadecida é publicado em livro, pela Agir. Nasce seu primeiro filho, Joaquim

1958 – Começa a escrever uma de suas obras-primas. Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue Vai-e-volta. Nasce sua filha Maria. Ingressa no curso de Filosofia da Universidade Católica de Pernambuco. O santo e a porca, com direção de Zbignew Ziembinski (1908-1978), é apresentada no Rio de Janeiro e em São Paulo.

1959 – Funda, com Hermilo Borba Filho, o Teatro Popular do Nordeste (TPN) e escreve a pela A pena e a lei. Auto da Compadecida é publicado na Polônia.

1960 – Escreve a peça Farsa de boa preguiça. Forma-se em Filosofia. Nasce seu filho Manuel

1961 – A peça O casamento suspeitoso é publicada. Nasce sua filha Isabel

1962 – O espetáculo A caseira e a Catarina é encenado pelo TPN com direção de Hermilo Borba Filho

1963 – Auto da Compadecida é publicado nos Estados Unidos. Arinao passa a ser assessor do Departamento de Extensão de Pernambuco. Organiza e prefacia uma antologia de poemas intitulada Ariano Suassuna: uma coletânea popular, publicada na revista Deca

1964 – A sua primeira peça, Uma mulher vestida de sol, é publicada depois de ser reescrita em 1958. Nasce sua filha Mariana

1965 – Auto da Compadecida é publicado na Espanha e na Holanda

1966 – Visita pela primeira vez a Pedra do Reino na divisa entre Pernambuco e Paraíba. Escreve O sedutor do sertão, roteiro para cinema, ainda inédito, e a peça O santo e a porca é publicada na Argentina. Nace sua filha Ana Rita

1967 – Por indicação de Rachel de Queiroz, torna-se um dos fundadores do Conselho Federal de Cultura

1969 – Assume a direção do Departamento de Extensão Cultural da Universidade Federal de Pernambuco. George Jonas faz a primeira adaptação cinematográfica de Auto da Compadecida

1970 – Lança, no dia 18 de outubro, o Movimento Armorial, por ele idealizado para combater o processo de vulgarização e descaracterização da cultura brasileira. O movimento empenha-se na criação de uma arte erudita, realizada a partir de raízes populares da nossa cultura. Neste mesmo ano, Ariano conclui o Romance d’A Pedra do Reino. Auto da Compadecida é publicado na França

1971 – A José Olympio publica o Romance d’A Pedra do Reino, enquanto A pena e a lei sai pela editora Agir

1972 – Romance d’A Pedra do Reino recebe o Prêmio de Ficção Nacional conferido pelo Ministro da Educação e Cultura

1973 – Cria a Orquestra Armorial e abandona o Conselho Federal de Cultura

1974 – Publica pela editora José Olympio Seleta em prosa e verso, Farsa da boa preguiça e, em volume único, as peças O santo e a porca e O casamento suspeitoso. Sai pela editora da UFPE o livro O movimento armorial e pela editora Guariba o álbum Cariri: uma herádica sertaneja

1975 – Assume a Secretaria de Educação pela Prefeitura do Recife. Ainda publica o ensaio iniciação à estética e cria o Balé Armorial do Nordeste

1976 – Defende a sua tese de livre-docência, intitulada a Onça castanha e a Ilha Brasil: uma reflexão sobre a cultura brasileira

1977 – Publica a História d’O Rei Degolado nas caatingas do sertão: ao sol da onça Caetana

1978 – Pede para ser exonerado do cargo de Secretário de Educação e Cultura do Recife e Romance d’A Pedra do Reino é publicado na Alemanha

1981 – Anuncia em carta que está se despedindo das atividades literárias

1986 – Auto da Compadecida é publicado na Alemanha

1987 – Roberto Farias faz uma segunda versão de Auto da Compadecida para o cinema, chamada Os Trapalhões do auto da Compadecida

1988 – Sua pela As conchambranças de Guaderna estréia no Recife, sob direção de Lúcio Lombardi

1989 – É eleito para a Academia Brasileira de Letras (ABL) e assume o no ano seguinte a cadeira número 32 da instituição

1993 – É eleito para ocupar a cadeira número oito da Academia Pernambucana de Letras. Organiza em São José do Belmonte a primeira Festa da Pedra do Reino, evento inspirado no livro Romance d’A Pedra do Reino

1994 – Aposenta-se como professor da Universidade Federal de Pernambuco

1995 – Assume a Secretaria Estadual de Cultura no governo Miguel Arraes. As aulas-espetáculo que dava esporadicamente se tornam, a partir de então, um projeto do governo para difundir no Estado e no Brasil a cultura pernambucana

1998 – Participa da gravação do CD Poesia viva de Ariano Suassuna e deixa o cargo na secretaria, como fim do governo Arraes

1999 – A Rede Globo exibe a microssérie O Auto da Compadecida, dirigida por Guel Arraes, com quatro capítulos, com um sucesso estrondoso. A série foi depois adaptada para o cinema. Ariano estréia o quadro cultural O canto de Ariano, também na Rede Globo Nordeste, em que conta causos da vida. O pesquisador e crítico Carlos Newton Jr. Organiza a antologia Poemas com versos do autor

2000 – Toma posse na Academia Paraibana de Letras

2006 – Estreia em São Paulo a adaptação do Romance d’A Pedra do Reino para o teatro, realizada por Antunes Filho

2007 – É recebida na Rede Globo a microssérie A Pedra do Reino, adaptação do romance de Ariano dirigira por Luiz Fernando Carvalho. Por ocasião dos seus 80 anos,, é realizada a Semana Armorial, no Rio de Janeiro, e a exposição Ariano Suassuna: uma fotobiografia. Ariano assume a Secretaria Especial de Cultura do Estado, convidado por Eduardo Campos – no segundo mandato dele, passa a integrar a Assessoria Especial do governador de Pernambuco

2008 – Volta a dar aulas na UFPE, no curso de Letras, ministrando a cadeira Estética – o motivo foi um comentário da neta, Ester, que reclamava da falta de disciplinas teóricas

2010 – Para celebrar os 40 anos da estética fundada por Ariano, Bebeth de Andrade Lima, Manuel Dantas Suassuna e Sérgio Ferraz fizeram a Mostra Armorial com peças, shows e debates

2012 – Foi o candidato brasileiro indicado pela Comissão de Relações Exteriores do Senado para o Nobel da Literatura

2013 – É homenageado pelo novo uniforme do seu time do coração, o Sport. Em agosto e setembro, sofre dois enfartes e é internado no Recife, onde também é tratado para cuidar de um aneurisma. Em dezembro, volta a fazer suas aulas-espetáculo e anuncia que concluiu o primeiro dos sete volumes do romance A Lumiara – título dessa primeira parte vinha sendo escrito ao longo de 33 anos

2014 – O escritor é celebrado no desfile do Galo da Madrugada e é anunciado como homenageado da Fliporto deste ano; É internado na noite de 21 de julho, em decorrência de uma AVC hemorrágico

Fonte: Jornal do Commercio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>